segunda-feira, 28 de setembro de 2009



Nabal: O Insensato
1 Samuel 25:2-40
Introdução:


· Nabal era um descendente de Calebe que morava em Maom (1Sm 25),a atual Maim, situada a 11 Kms a sudeste de Hebrom.
· Era "mui poderoso e tinha três mil ovelhas e mil cabras… mas eraduro e maligno nas suas obras".
· Durante as suas vagueações, Davi chegou ao local onde Nabal moravae, ouvindo que ele estava prestes a tosquiar as suas ovelhas, enviou-lhedez dos seus homens a pedir-lhe "o que achares à mão para os teus servos".
· O tempo da tosquia era uma ocasião de mostrar hospitalidade e boavontade entre os proprietários de rebanhos. O pedido de Davi eraapenas o que qualquer xeique árabe teria solicitado, mesmo nos temposmodernos, para proteção dos rebanhos de outrem. Nabal, entretanto, fiel ao significado de seu nome ("louco") insultou os mensageiros deDavi. Amontoou insultos contra Davi, como se fosse um ninguém. Nãoadmira, pois, que Davi tenha ficado indignado e tenha marchado contraNabal com 400 homens armados de espadas (12-13).Nabal ofendeu-se com o pedido e disse de um modo insultuoso: "Quem é Davi e quem é o filho de Jessé?" (expressão idiomática da época para se referir a um João-ninguém). Em 1Sm 25, informou-se Abigail (a mulher de Nabal) do fato elogo se deu conta do perigo que o seu lar estava correndo.


I.A SABEDORIA DE ABIGAIL VS A INSENSATEZ DE NABAL (1Sm 25.14-35).
Abigail era mulher tão cheia de sabedoria e atrativa quanto seu marido erainsensato e repulsivo. Quando foi informada, por um de seus servos, como oshomens de Davi tinham sido insultados por seu marido, ela imediatamentecomeçou a agir. O servo calorosamente reconheceu a proteção que havia recebidodos homens de Davi: De muro em redor nos serviram, assim de dia como de noite(15-16).
1. Ela dirigiu-se rapidamente para o campo de Davi, levando consigoimensas provisões (1Sm 25:18). Abigail intercedeu tão cortês e persuasivamente, que a ira de Davi foi aplacada e ele lhe disse:"Bendito o Senhor Deus de Israel, que hoje te enviou ao meuencontro".


2. Quando voltou para casa, viu que o marido se mostrava incapaz decompreender a situação, devido à bebedeira e só no dia seguinte lheexplicou o que acontecera. Ele ficou atordoado com o perigo a queficara exposto, devido à sua conduta. "E se amorteceu nele o seucoração e ficou ele como pedra". Dez dias depois, "feriu o Senhor aNabal e este morreu" (1Sm 25:37, 38).Davi havia concedido a Nabal uma proteção especial; o havia honrado;indiretamente o fez prosperar; o saudou abençoando; mas, não encontrou emNabal a hospitalidade desejada, nem generosidade necessária, tão pouca, a gratidãopara com os benefícios recebidos.Durante muito tempo, os pastores de Nabal tinham levado suas ovelhas parapastar nos campos de Davi. Lá, receberam segurança, proteção e muitas vezescomida. Agora, Davi e seus homens, andando pelo deserto de Basã, precisaram dealimento. Nabal, a quem a Bíblia descreve como homem "duro e maligno em todo oseu trato", negou-se a ajudar aquele de quem sempre recebera ajuda. Issoencolerizou Davi. Tomando quatrocentos homens, ele partiu para destruir o ingratoe malvado Nabal.Davi vem para matar Nabal pelo encoberto do monte (20). Umafenda ou vale estreito e profundo onde Abigail avançava, sem poder ser vista. Davie seus homens vinham montados, descendo pela colina defronte, furiosos deindignação e prometendo completo aniquilamento.Seguindo a fórmula usual dos juramentos, a Septuaginta diz: "Assim façaDeus a Davi" (22), e não aos inimigos de Davi, como diz no hebraico e nesta versãotambém. Abigail, ao inteirar-se da atitude insensata do marido, saiu ao encontro deDavi, levando comida em abundância. Assim, conseguiu apaziguar a ira do futurorei de Israel. A Bíblia descreve Abigail como sendo mulher de "bomentendimento". Entendimento, entre outras coisas, é a capacidade dedescomplicar a vida, de fazê-la simples, de evitar problemas e criar soluções. Mas,do marido de Abigail, Nabal, a Bíblia o chama de filho de belial, perverso, malignoe insensato. Abigail, muito sinceramente e com grande tato, apresentou suasdesculpas (24-25), e prosseguiu: "Ora, meu senhor, assim como Yahweh vive, e tuaalma vive, foi Yahweh que te impediu de cair em culpa de sangue e de te salvarescom tua própria mão..." (26). Ela rogou que sua bênção ("presentes") fossemaceitos, como prova do perdão de Davi (27). Atada no feixe dos que vivem (29).Uma figura derivada do costume de atar coisas valiosas numa saca, e que descreveo grande cuidado do Senhor por Davi. Este ficou profundamente comovido ebendisse a Deus por tê-lo salvo do crime que tencionava praticar, e bendisse Abigailpor tê-lo livrado de vir com sangue (33).


II.A INSENSATEZ DE NABAL O MATOU.
Quando Abigail retornou ao Carmelo, onde havia um banquete, encontrou Nabal completamente embriagado. Mas na manhã seguinte, quando ela lhe relatou o perigo por que havia passado, suas violentas emoções provocaram-lhe um ataque de paralisia (37). Ele ainda viveu por mais dez dias, mas então faleceu, pois feriu o Senhor a Nabal (38). Era o julgamento de Deus sobre Nabal, e embora o Senhor tivesse empregados meios naturais para matar Nabal, o relato bíblico deixa claro que foi o próprio Deus quem o feriu. Quanto à ação de Davi, após a morte de Nabal, casando-se com Abigail, estavam de conformidade com o costume dos chefes orientais, os quais, quando desejavam certa mulher, mandavam-na buscar para o palácio e ela implicitamente obedecia. Também tomou Davi a Ainoã de Jezreel, para ser sua esposa (43) isto é, da Jezreel perto de Maom. Dessa maneira Davi mostra que os costumes das cortes orientais já estavam começando a ser imitados em Israel. Enquanto reinou em Hebrom, Davi teve seis esposas (1Cr 3.1-3).


III.O PERIGO DA INSENSATEZ A LUZ DA BÍBLIA.
· Não há no Antigo Testamento um termo hebraico próprio para expressar o conceito de um homem insensato, o que chamamos hoje em dia de agnóstico ou ateu. Em Salmos 14.1, o nabal, isto é, "o louco", "insensato" é aquele que vive como se Deus não existisse, ou como que, por não possuir o conhecimento de Deus, ele diz: Onde está o teu Deus! (cf. Sl 53.1/ Sl 115:1- 2). Este é o louco que blasfema contra o Senhor (Sl 74.18). O povo de Israel também é definido como "am nabal", isto é, "povo insensato, agnóstico e ateu" em razão de não reconhecer os grandes benefícios proporcionados pelo Senhor Deus de Israel (Dt 32.6). Nestas referências, o termo hebraico nabal designa, provavelmente, não alguém que está sinceramente convicto de que Deus não existe, mas que está mal orientado quanto à existência de Deus por causa da sua própria consciência pervertida pelo pecado. O texto da Septuaginta traduziu o nome Nabal por: Um Homem como Cão. Tradução grega do texto hebraico – verte o termo hebraico citado por aphron, ou seja, "tolo", "ignorante". A expressão grega "Ouk estin Theos", isto é, "Não há Deus" denuncia o estado de completa ignorância e tolice de quem assim pensa e vive.
O agnosticismo e o ateísmo tanto prático quanto teórico é, segundo as Escrituras, a principal causa da corrupção e degeneração do homem (Sl 14; 53; Rm 1.18-32). Sendo Nabal é a figura do "insensato", do homem inconseqüente que vive como se Deus não existisse ou que O confunde com a criação ou com os demais deuses fabricados pela imaginação perversa dos homens ímpios; Nabal possui um "coração insensato" (Rm 1.21). No original a expressão "coração insensato" (asynetos kardia), é literalmente, "sem entendimento de coração". Se considerarmos o termo kardia de acordo com idiomatismo hebraico, podemos afirmar que o agnóstico e ateu são expressões sociais do homem que a bíblia chama de insensato; pois o insensato é "aquele que vive sem o conhecimento de Deus". E, pelo que se depreende de uma leitura atenciosa de Romanos 1.18-32, o agnóstico e o ateu são expressões da ignorância que não conhece o Deus único e verdadeiro. Vários termos empregados por Paulo se relacionam diretamente à falta de episteme ou conhecimento (consciência) correto acerca de Deus. Um hindu, por exemplo, fica com a consciência pesada quando mata uma vaca. Mas não se importa em sacrificar seus filhos nem se impressiona quando as viúvas são obrigadas a se lançar sobre as piras onde os corpos de seus falecidos maridos estão sendo cremados. A consciência se adapta às normas morais de seu ambiente. Assim era Nabal, um homem de ânimo covarde; e, quando se compenetrou de quão perto de uma morte súbita a sua loucura o havia conduzido, pareceu achar-se atacado de uma paralisia ou derrame cerebral. Receoso de que Davi ainda o estava para prosseguir com seus intuitos de vingança, encheu-se ele de terror, e prostrou-se em uma condição miserável de irremediável insensibilidade. Dez dias depois, morreu. A vida que Deus lhe dera tinha sido apenas uma maldição para o mundo. Em meio a seu regozijo e alegria, Deus lhe dissera como disse ao homem rico da parábola: "Esta noite te pedirão a tua alma" (Lc 12:20).


IV.IMPLICAÇÔES CONCLUSIVAS:
Em primeiro lugar, Davi entendeu que não há espiritualidade em se opor aos tolos. Devemos nos sujeitar a Deus, Ele exercerá a vingança pelos seus ungidos.
1.O louco arruma problemas para si mesmo e para os seus.
2.Tais problemas por vezes, são os outros que tem que resolver por ele.
3.O louco é sempre vítima de si mesmo.
4.Será que a maioria dos problemas que enfrentamos não são resultados da nossa própria insensatez?
5.Os Pecados de Nabal: (Não honrar o nome da família que pertencia, viver como si Deus não existisse e afrontar o ungido de Deus, o rei Davi).
6.Outros pecados de Nabal:
·Sua Extravagância o matou. (bêbedo).
·Seu Apetite era seu deus, comia desordenadamente. (glutonaria).
·Sua Afronta ao Ungido de Deus, trouxe o juízo rápido sobre si mesmo. (rebelião e insensatez).
Em segundo lugar, como Davi, devemos estar sempre prontos a ouvir conselhos sábios e ter o controle próprio para corrigir ainda em tempo os impulsos que nos levam a praticar o mal. Davi louvou ao SENHOR por ter impedido que ele tomasse a vingança em suas próprias mãos e por ter executado Nabal pela ofensa que lhe fora feita. Recebeu ainda um grande presente: informou Abigail que desejava tomá-la como mulher e ela consentiu. Sem dúvida ele não só apreciou a sua formosura, mas também o seu caráter e fé no SENHOR. Infelizmente, Davi foi além e tomou outra mulher para si, chamada Ainoã. A poligamia também é uma forma de loucura e sempre oposta ao ideal divino para o casamento (Gn 2:24).

quinta-feira, 10 de setembro de 2009

Arqueólogos descobrem artefatos do tempo de Ezequias



Foi descoberta por arqueólogos, em Israel, uma grande construção que remonta ao tempo do Primeiro e Segundo Templo, e ao reinado de Ezequias, Rei de Judá.Visite: Gospel, Noticias Gospel, Videos Gospel, Biblia Online
A Autoridade Israelita de Antiguidades tem procedido a trabalhos de escavação na aldeia de Umm Tuba, no Sul de Jerusalém. A organização disse ter encontrado um edifício com vários quartos dispostos à volta de um pátio. Os quartos continham muitos artefactos e cerâmica dos períodos do Primeiro e Segundo Templo.
Entre as peças encontradas estavam os selos de funcionários do governo, tais como Ahimelekh ben Amadyahu e Yehokhil ben Shahar, que tinham ambos elevada posição no governo do Rei Ezequias.
Ezequias foi o 13º rei de Judá. A sua vida é mencionada na Bíblia nos livros dos Reis, Crónicas e Isaías. Em Crónicas relata como Ezequias, juntamente com o Profeta Isaías, oraram a Deus para salvar o Reino dos invasores assírios.
Os arqueólogos também encontraram uma inscrição em Hebraico numa jarra, que data de 600 anos após os selos do Reino de Judá. Acredita-se que o edifício foi parcialmente destruído durante a conquista de Jerusalém pelos babilónios.
As novas descobertas, juntamente com outros achados anteriores ajudam a pintar um retrato da existência judaica em Jerusalém durante o período do Primeiro e Segundo Templos.
A Autoridade Palestiniana, que quer controlar o Monte do Templo e Jerusalém Oriental, alega que estes templos judeus nunca existiram.
O Monte do Templo é o local mais sagrado para os judeus. O Primeiro Templo foi ali construído no Século X a.C. pelo Rei Salomão, e abrigava a Arca da Aliança. No entanto, o templo foi destruído em 586 a.C. pelos babilónios.
O Segundo Templo foi construído em 515 a.C., todavia, também este foi destruído em 70 d.C., desta vez pelos romanos.


Fonte: Diário Cristão / Gospel+

terça-feira, 8 de setembro de 2009

Grande Jejum das Causas Impossiveis



Grande Jejum das Causas Impossiveis


No dia 27 de Setembro estaremos realizando as 09hs o Grande Jejum das Causas impossiveis. Venha trazer a sua causa para apresentarmos ao Senhor Jesus, estaremos jejuando e intercedendo por todos os que comparecerem neste dia. Convide seus familiares para serem abençoados no dia 27 de Setembro as 09hs.

Av.: Abel Correia Guimarães, nº351

Bairro: Quadra Coberta

Pindamonhangaba/SP


Grande Jejum das Causas Impossiveis.

Uma Realização da Igreja Assembléia de Deus "Portas Amarelas" em Pindamonhangaba

sábado, 5 de setembro de 2009



"Dias de Dores e Desgosto"

"Porque todos os seus dias são dores, e o seu trabalho, desgosto; até de noite não descansa o seu coração; também isto é vaidade".Eclesiastes 2:23.

O ser humano foi criado para ser feliz, pleno de gozo, e completo em perfeição. Tão logo o pecado maculou nosso mundo, o próprio Deus proferiu as conseqüências da desobediência: "E à mulher disse: Multiplicarei sobremodo os sofrimentos da tua gravidez; em meio de dores darás à luz filhos; o teu desejo será para o teu marido, e ele te governará... E a Adão disse: Visto que atendeste a voz de tua mulher e comeste da árvore que eu te ordenara não comesses, maldita é a terra por tua causa; em fadigas obterás dela o sustento durante os dias de tua vida... No suor do rosto comerás o teu pão, até que tornes a terra, pois dela foste formado; porque tu és pó e ao pó tornarás".Gênesis 3:16, 17 e 19.

Se olharmos com atenção, os dias de dores e desgosto do homem começaram no Éden. Salomão é um exemplo vivo de cada um de nós: Ele levou muito tempo trabalhando e lutando para conseguir as coisas, para finalmente chegar à conclusão de que tudo nessa vida é vaidade. Deus já havia dito desde o início, que a vida do homem seria canseira e enfado, mas nós sempre vivemos com a ilusão de que alcançaremos sucesso aqui.
O que precisamos aprender é que o sucesso ou o êxito deste mundo, nunca será suficiente para nos satisfazer. Sempre que alcançarmos algo, nosso ego já se fixará em outro objetivo, e parece que estamos numa corrida que nunca acaba. O sábio fala que nossa ambição alcança níveis tão altos, que até involuntariamente o nosso coração não descansa a noite. Infelizmente a nossa luta pela sobrevivência pelo êxito da vida, tem trazido mais dores e desgostos, do que sucesso e alegria. A fadiga, o enfado da alma, tem levado o homem moderno a buscar prazeres para satisfazer o coração. A transitoriedade das coisas e da própria vida tem sido um inimigo mortal do ser humano. Nossa hereditariedade eterna nos compele a buscar a felicidade plena, mas o inimigo tenta nos enganar com as coisas terrenas.
O homem do século XXI tem encontrado alívio na religião. O número de igrejas e membros cresce de uma maneira extraordinária. Entretanto, filiar-se a uma religião, ou mesmo dizer-se seguidor de Cristo, não quer dizer que não teremos dores nesta vida. Há pessoas que pensam que porque se tornaram seguidores de Cristo já não terão mais problemas. Dores, tristeza, e sofrimento, são características da terra do pecado. Jesus disse: "No mundo, tereis aflições; mas tende bom ânimo; eu venci o mundo".S. João 16:33. Notem que a certeza da vitória de Cristo como nossa vitória, é um fator decisivo para suportar as angústias deste mundo. A Bíblia diz que Jesus foi um homem de dores e que sabe o que é padecer. Cada cristão hoje deveria saber o que é padecer. Salomão fala que o cotidiano é cheio de dores. Por mais que busquemos usufruir a plenitude do nosso viver com as coisas terrenas, nunca alcançaremos a satisfação completa. O aparente êxito que achamos possuir, o sábio chama de vaidade.
As aflições deste mundo estão minando a nossa confiança em Deus. Segui-Lo não é sinônimo de prosperidade, mas de submissão, amor e serviço. O conceito de cristão está sendo mudado por uma cultura religiosa comodista. Mais que nunca precisamos olhar para Cristo. Precisamos aprender dEle como enfrentar as adversidades, e entender que a grandeza desta nossa caminhada está em amar e servir como Ele amou. Os sofrimentos dos dias atuais é um preço muito baixo a ser pago, tendo em vista a glória que vamos receber quando Ele vier. Que neste Sábado, você possa decidir viver por Cristo. Agora e para sempre! Amém!


Pr. Dilson Bezerra